Sobre nós

O curso de flauta doce da UFRJ é ministrado pela profª Patricia Michelini

Patricia Michelini é Professora Assistente de Flauta Doce da Escola de Música da UFRJ. Doutoranda em Música pela ECA-USP, realizou Mestrado na UNICAMP e é formada em Flauta Doce pela Fundação das Artes de São Caetano do Sul e em Composição pela ECA-USP. 

Atua como intérprete de flauta doce, pesquisadora e docente, com especial interesse pelas áreas de Musicologia Histórica, Educação Musical e Performance. Participa regularmente de eventos científicos e artísiticos promovendo pesquisas desenvolvidas no âmbito das universidades às quais está vinculada.

Integra a Orquestra Barroca da UNIRIO (OBU), o Duo Flustres (SP), Conjunto Barroco Affettuoso (RJ) e o Ensemble Galanteria (RJ). É musicista convidada dos grupos Sacra Vox (RJ), Audi Coelum (SP), Consort Bassano da USP (SP) e Il Dolce Ballo (SP), com o qual lançou os CDs Amor & Devoção (2003) e Ecco la Primavera (2012). Atuou como solista junto a orquestras das cidades paulistas de Campinas, Indaiatuba e Jundiaí, no estado de São Paulo. Mais recentemente, foi solista junto à Orquestra Barroca da UNIRIO em várias salas de concerto do Rio de Janeiro, incluindo o Theatro Municipal.

Ao longo de mais de 25 anos de docência, em constante reflexão acerca dos processos de aquisição de conhecimento, vem formando gerações de flautistas e músicos de destaque em suas áreas. Lecionou nos Festivais de Música de Prados (1989 e 1991), São Caetano do Sul (2000, 2001 e 2005), Ourinhos (2011) e Goiânia (2011). Foi professora e coordenadora da área de disciplinas teóricas na EMESP (2008-2011) e na Fundação das Artes de São Caetano do Sul (1989-2011).

Na UFRJ desde 2011, é responsável pela curadoria do Festival de Música Antiga desta instituição.

lattes.cnpq.br/9455815739289492

Dependendo do repertório realizado, os alunos das Oficinais Instrumentais - Flauta Doce contam com o auxílio dos cravistas acompanhadores da escola. Atualmente o acompanhamento é realizado pelo cravista Eduardo Antonello

Bacharel em Cravo e Mestre em Práticas Interpretativas pela UFRJ, onde foi contemplado com bolsas de Iniciação Científica e Mestrado, sempre sob a orientação do Prof. Dr. Marcelo Fagerlande. Foi também bolsista do conjunto Sacra Vox, dirigido por Valéria Mattos, em projeto que resultou na gravação do CD “Da República ao Império” no ano de 2009.

Desde 2012 é cravista concursado da Escola de Música da UFRJ. Ainda nesta instituição, participa ativamente como intérprete e pesquisador da Semana do Cravo, evento anual organizado pela universidade e dedicado ao instrumento no Brasil.

Participou de masterclasses com os cravistas Olivier Baumont (França) e Christine Daxelhofer (Alemanha), além de cursar improvisação erudita ao órgão e ao piano com Alexandre Rachid (Brasil). Participou do curso de organologia e iconografia musical sobre cravo, clavicórdio e pianoforte com a profª Florence Gétreau, diretora do Institut de Recherche sur le Patrimoine Musicale na França.

Eduardo vem sendo reconhecido como um dos cravistas e continuístas mais competentes e criativos de sua geração. Seu canal no youtube "Early music in a different way" (www.youtube.com/user/MrEduardoAntonello), onde interpreta obras dos períodos renascentista e barroco tocando vários instrumentos, tem mais de 4.000 inscritos, com entusiastas do mundo todo.

Realizou inúmeros concertos com diversos grupos e formações musicais, tais como Quarteto Ars Plena, Consortium Musicum Rio, Duo Kristina Augustin & Eduardo Antonello, Trio Barroco, Discurso Harmônico, Orquestra Barroca da Unirio, dentre outros. No ano de 2010 participou da gravação do CD “Fantasias para Duas Violas da Gamba” junto aos gambistas Kristina Augustin e Mario Orlando, apresentando concertos de lançamento nas cidades de Niterói e Rio de Janeiro.

Atuou junto às principais orquestras do Rio de Janeiro, como a Orquestra Sinfônica Brasileira sob a regência do maestro Roberto Minczuk, Orquestra Petrobrás Sinfônica sob a regência do maestro convidado Domenico Nordio e Orquestra e Coro do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, integrando as montagens: “As Bodas de Fígaro” de Mozart, “A Criação” de Haydn, “A Infância de Cristo” de Berlioz, “Cavaleria Rusticana” de Mascagni, “O Barbeiro de Sevilha” de Rossini, “O Messias” de Handel, “Magnificat” de Bach e obras de Haendel e Purcell na Sala São Paulo, com solistas como a mezzo-soprano norte-americana Jennifer Larmore e o violoncelista brasileiro Antonio Meneses.

Atualmente, em paralelo às suas atividades na UFRJ, é integrante da orquestra Johann Sebastian Rio e participa de diversos projetos didáticos com o grupo Ars Antiqua e com a Academia Juvenil da Orquestra Petrobrás Sinfônica, sob a regência do maestro e violinista Felipe Prazeres.